terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Bispo Emérito de Limoeiro D. Manuel Edmilson da Cruz recusa homenagem no Senado Federal


Dom Manuel Edmilson da Cruz, bispo emérito de Limoeiro do Norte, recusou nesta terça-feira (21) receber uma comenda do Senado Federal.
Ele afirmou que tomou a atitude para protestar contra o aumento salarial de 61,8% aprovado pelos parlamentares em causa própria.
Se tivesse aceito a homenage Dom Manuel receberia a comenda dos Direitos Humanos Dom Helder Câmara.
A recusa do bispo foi feita em um discurso no plenário do próprio Senado.
Ele criticou os parlamentares por aprovar o aumento, deste montante, para o próprio salário.
Ele destacou que o aumento dado aos parlamentares deveria ter, como base, o reajuste que será concedido ao salário mínimo; cerca de 6%.


Fonte: verdesmares.globo.com

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Governador pretende federalizar URCA e UVA


O Governador Cid Gomes em entrevista ontem (19) ao programa Questão Aberta da TV Diário afirmou que já teve conversas preliminares como Ministro de Educação Fernando Haddad com intuito de resolver a questão do ensino superior do Ceará. Para o governador, as IES estaduais atendem aos reclames regionais por educação superior historicamente não atendido pela União. Todavia, Cid acredita que o governo Lula tem procurado corrigir isso e, nada mais justo, que assumir as universidades regionais URCA e UVA integrando-os ao programa de expansão do ensino superior (REUNI). A UECE, segundo o governador, seria mantida como única universidade estadual direcionada as demandas científicas e tecnológicas do Ceará. Apesar de declarar que respeita a autonomia da universidade, nada mencionou sobre a autonomia financeira e de contratação de pessoal.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Protesto de alunos acaba com parte do teto do restaurante da UECE desabando

TVJANGADEIROONLINE - Parte do telhado da entrada do Restaurante Universitário (R.U) do Campus do Itaperi, da Universidade Estadual do Ceará (Uece), caiu na manhã desta quarta-feira (1º). Dois estudantes ficaram feridos pelas telhas e foram levados para o Frotinha da Parangaba. Através da assessoria de imprensa, a Uece amenizou o acidente como fruto do protesto dos estudantes e adiantou que vai ser feita uma perícia para investigar o caso.

O acidente aconteceu depois das 11 horas, durante uma mobilização dos estudantes, que pedia justamente a reforma do restaurante e a compra de novos bebedouros.

Por volta das 10 horas, antes do acidente acontecer, os estudantes haviam entregado um abaixo-assinado ao reitor da Uece, Assis Araripe. Eles reclamavam do atraso na entrega de obras fundamentais para a UECE, como o novo Restaurante Universitário, o Hospital Veterinário e o Centro Poliesportivo. O reitor teria pedido paciência e disse que não tinha como acelerar o processo.

Os estudantes revolveram, então, discutir o resultado do encontro e protestar dentro do antigo R.U. O telhado caiu na área onde os estudantes fazem fila para entrar no restaurante, que já estava em funcionamento para o almoço.

Bruno Firmeza e Jéssica Gadelha, ambos alunos do curso de Nutrição, foram atingidos pelas telhas de amianto. O aluno sofreu um corte profundo na cabeça e foi socorrido para o Frotinha da Parangaba, sendo liberado em seguida. Enquanto isso, a estudante recebeu um corte no pescoço.

Segundo a assessoria de imprensa da Uece, a área do acidente foi interditada e uma perícia deve investigar o caso. Já sobre o novo restaurante, a universidade informa que a estrutura está quase concluída, mas ainda falta licitação para a compra dos equipamentos.

A estudante de Enfermagem, Ana Karoline, disse ao Jangadeiro Online que, há muito tempo, os estudantes alertam para as péssimas condições do local. Depois do acidente, o almoço continuou a ser servido.
http://jangadeiroonline.com.br/fortaleza/teto-de-restaurante-universitario-cai-sobre-dois-estudantes-da-uece-107595/#cf6_field_3

Educadora e ex-aluna da FAFIDAM é premiada pelo Congresso Nacional


Exemplo de perseverança e tenacidade na luta contra a homofobia e pelo direito à diversidade sexual a pedagoga, doutoranda, travesti, pioneira e ex-aluna da Fafidam, Luma Andrade foi agraciada em Brasília com o Prêmio Educando pela Diversidade Sexual, na semana passada. Luma participou ainda de discussões sobre direitos dos homossexuais, na audiência o "Bullying Homofóbico nas Escolas" e no Senado Federal. Em tempos de sintomáticas agressões contra homossexuais, a professora de Russas e presidente da Associação Russana da Diversidade Humana tem trabalho consistente e considerado referencial para o País.

Na semana passada, a Comissão de Direitos Humanos do Senado aprovou projeto de lei da Câmara, que autoriza a mudança de nome de pessoas transexuais sem vínculo com cirurgia. É o caso de Luma Andrade, a primeira no Ceará a conseguir na Justiça a mudança do nome. Um dia antes de acompanhar a audiência legislativa, a educadora participou do seminário "Escola sem homofobia". O evento foi um pedido da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transexuais (ABGLT).

Luma aponta a deficiência no ensino aos jovens e defende a capacitação dos professores nas escolas, para lidarem com questões como a tolerância sobre os direitos sexuais, um trabalho que não se resuma a acusações e punições, mas o entendimento de que tanto professor quanto aluno são sujeitos culturais.

"Até mesmo o professor com instrução está influenciado pela bagagem cultural de antes de se capacitar como transmissor de conhecimento", afirma a educadora cearense.

Parabéns a educadora. Ela conseguiu fazer a diferença.

Veja reportagem no DN em http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=893844

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Neurocientista Sidarta Ribeiro abre XV Semana Universitária


O Neurocintista do Instituto Internacional de Neurociência de Natal e Professor Titular da PGNeuro - UFRN, Sidarta Ribeiro, Ph.D. abriu oficialmente a XV Semana Universitária. Numa conferência disputada pela platéia que se espremia no auditório central do Itaperi, Sidarta prendeu mentes e corações por aproximadamente uma hora falando dos progressos cientifícos no campo da neurociência e como essa realidade influenciará nossa vida daqui para frente. Chips cerebrais, controle mental de robôs e leitura de mente foram alguns dos avanços comentados pelo pesquisador. Sempre provocativo, Sidarta mostrou ainda o impacto do Instituto de Neurociência de Natal na produção científica nordestina e os projetos pioneiros de educação científica desenvolvidos pelo Instituto em comunidades carentes, mostrando que alta ciência não é apartada de responsabilidade social. A multiplicação da iniciativa foi assumida em carta-compromisso pelo Presidente Lula e pesquisadores do Instituto e publicada em revista científica internacional renomada. A Semana Universitária segue até sexta com vasta programação científica e cultural.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Prof. Rui Moreira abre XIII SEMAGEO



A XXI Semana de Geografia foi aberta na noite desta segunda com a conferência do Prof Rui Moreira/UFF. O evento contou com a participação de diversos docentes e do Reitor em exercício Antônio Gomes. Alunos do curso de Geografia da Fafidam, CAMEAM/UERN e UECE/Itaperi prestigiaram a conferência que teve debate bastante instigante. O SEMAGEO segue até quinta-feira com mesas, mini-cursos e apresentação de trabalhos.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010


O geógrafo e prof. Ruy Moreira, da Universidade Federal Fluminense, fará a Conferência de Abertura da 13ª edição da Semana de Geografia.

A proposta do evento é refletir sobre a formação docente, tendo em vista as mudanças significativas ocorridas no campo da profissionalização e da valorização da função social do saber. Para a coordenação do evento “a formação docente deve estar pautada: nas dimensões de indagação, investigação e construção coletiva do conhecimento; na inovação de técnicas e métodos de pesquisa, ensino e extensão; no respeito às diversas formas de saber”.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010


REVISTA GEOSABERES recebe propostas de novos artigos


A REVISTA GEOSABERES está recebendo propostas de novos artigos até o dia 15 de Novembro de 2010, para publicação na edição nº 2.

Vinculada ao Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Ceará, a REVISTA GEOSABERES propõe o fortalecimento dos canais de veiculação científico-cultural e ampliando os espaços de reflexão sobre as Práticas teóricas e pedagógicas da Geografia Escolar.

O público-alvo da REVISTA GEOSABERES inclui pesquisadores da Geografia Física e Humana, envolvidos com sua dimensão Escolar, professores do Ensino Superior e do Ensino Básico e estudiosos de temáticas sócio-espaciais que dialoguem com a educação. Além de escritores, jornalistas, literatos e filósofos e demais interessados em contribuir com o saber educativo da Geografia. Suas quatro seções: Artigos Científicos, Espaço Metodológico, Teses e Dissertações e Espaço Literário cooperam para dar singularidade à proposta da revista.

As submissões podem ser realizadas através do site: www.geosaberes.ufc.br

Maiores informações podem ser tiradas através do email: lege@ufc.br

Carta convite em anexo.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Governo decreta ponto facultativo o expediente do dia 1º de novembro

Sex, 22 de Outubro de 2010 12:40

O Governador do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 88 - conforme Decreto nº. 30.340 de 20 outubro de 2010, que disciplina o expediente do dia 28 de outubro de 2010, considerando que o dia consagrado ao Funcionário Público Estadual, recai numa quinta-feira, o que acarretaria uma quebra na seqüência na semana; considerando ainda que o dia 02 de novembro é feriado dedicado aos falecidos.

O expediente do dia 1º de novembro de 2010, segunda-feira, fica decretado ponto facultativo em todas as repartições da Administração Pública Estadual.

PALÁCIO IRACEMA DO ESTADO DO CEARÁ, em Fortaleza, 20 de outubro de 2010.
Cid Ferreira Gomes
GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ
Desirée Custódio Mota Gondim
SECRETÁRIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Feijoada da Integração fecha semana do calouro




A semana de integração foi encerrada com feijoada bastante animada. Alunos, professores, funcionários e administração superior se divertiram ao som de Aldeci & Alderi, saboreando deliciosa feijoda maravilha. O candidato ao Senado Federal Reginaldo, o sosia de Stallone (Pedro) e cantor e compositor Riccely também marcaram presença juntamente com outras presencas ilustres. A semana que tem sua primeira edição neste semestre "merece ser aperfeiçoada"´, disse o diretor da FAFIDAM, Prof. Hidelbrando em meio a fala que saudou os calouros e informou sobre as obras em curso. A Faculdade inicia o semestre letivo que termina em fevereiro. Sejam todos bem-vindos.

video

LAGEO recebe reparos e nova pintura


Nos próximo dias o LAGEO estará com suas atividades limitadas devido a reparos na estrutura e pintura. Durante o período os alunos poderão utilizar a biblioteca da FAFIDAM, reaberta após reparos na estrutura.

Saraus e Corrida de Orientação animam Semana de Integração

A Semana de Integração da FAFIDAM será encerrada hoje com feijoada a partir das 11h. Durante toda a semana os alunos que compareceram a faculdade tiveram a oportunidade de participar de diversas atividades, dentre elas, saraus literário e musicais, corrida de orientação, filmes, palestras etc.

domingo, 26 de setembro de 2010

Semana de Integração abre semestre na FAFIDAM

A UECE abre oficialmente o semestre letivo 2010.2 nesta segunda-feira, dia 27 de setembro. Espero que todos os alunos tenham descansado bastante! A FAFIDAM inicia o semestre com uma semana de integração que contará com aula inaugural e diversas outras atividades. O encerramento na sexta-feira será com uma grande feijoada congregando docentes, discentes e funcionários. Compareça e prestigie as atividades de seu curso.
Bom semestre para todos!

Chamada de Artigos


Revista Geografia em Questão,Vol. 3, n. 2 – 2010

2ª CIRCULAR - 2010

A AGB seção-local Marechal Cândido Rondon-PR, torna público que está recebendo artigos científicos para serem publicados na Revista Geografia em Questão Vol. 3 Nº 2, referente ao ano de 2010.

A revista Geografia em Questão é uma publicação semestral da Associação dos Geógrafos Brasileiros, seção-local Marechal Cândido Rondon, que tem por finalidade a divulgação do debate teórico e político na Geografia, promovendo a interlocução entre pesquisadores da Geografia e de outras áreas.
O periódico publica artigos, resenhas e notas de pesquisas sobre o conhecimento geográfico. A Revista pode ser encontrada na on-line e tem como objetivo publicar artigos que remetam a uma análise crítica da discussão acadêmica na Geografia.
Poderão enviar artigos para publicação tanto os sócios da AGB seção-local como pesquisadores de outras seções, grupos ou áreas de pesquisa.
Os artigos deverão ser enviados até dia 17 de outubro de 2010 para http://e-revista.unioeste.br/index.php/geoemquestao

Os trabalhos recebidos serão enviados a pareceristas que se manifestarão sobre a relevância e adequação do artigo com as normas da Revista Geografia em Questão.

REVISTA GEOGRAFIA EM QUESTÃO: NORMAS PARA PUBLICAÇÃO

1 – Os artigos deverão ser diagramados em fonte Times New Roman 12; Alinhamento Justificado e espaçamento simples; Tamanho do papel personalizado com largura de 15,8 cm e altura de 21,9 cm; margens superior e direita de 2cm , inferior e esquerda de 2,5 cm, medianiz de 0 cm; cabeçalhos e rodapés com a opção “diferente na primeira página” selecionada; cabeçalho de 1,0 cm e rodapé de 1,27 cm e alinhamento vertical superior. Os parágrafos deverão possuir na primeira linha recuo esquerdo de 1,25 cm. Os subtítulos deverão estar justificados, sem recuo para parágrafo, todas as letras em maiúscula e com espaçamento de uma linha antes e uma depois do texto.

2 – O título deverá ser escrito em fonte Times New Roman 12, em negrito, em letra maiúscula, centralizado e espaçamento simples.

3 – O nome dos autores deverá ser separado pelo espaço de uma linha do titulo do trabalho e estar alinhado a direita, com fonte 11. Juntamente com o nome dos autores, deve haver uma nota de rodapé indicada com asterisco com a identificação dos autores, nível da pesquisa e e-mail. O sobrenome do autor do texto deverá ser grafado em maiúsculo.

4 – As citações diretas que ultrapassarem 3 linhas deverão possuir fonte 11, serem colocadas em itálico, espaçamento simples e recuo esquerdo de 2,5 cm. Elas não deverão possuir recuo para parágrafo e deverão estar separadas do texto pelo espaço de uma linha, antes e uma linha depois da citação.

5 – Os textos deverão conter entre 15 laudas (mínimo) e 35 laudas (máximo) para os artigos. E de 03 a 05 laudas para resenhas de livros, relatos e notas de pesquisa.

6 – Os artigos deverão incorporar título, resumo e palavras-chave em português e em um outro idioma. O resumo deve conter até 200 palavras, estar em espaçamento simples, justificado e fonte Times New Roman 10.

7 – Ilustrações, gráficos, figuras, fotografias, mapas, quadros, tabelas, etc., deverão limitar-se ao espaço de diagramação da revista e ser de boa qualidade gráfica. Seus títulos devem ter apenas a 1ª letra de cada palavra em Maiúscula.

8 – A bibliografia deve ser apresentada no final do trabalho, referente apenas a usada no texto e em ordem alfabética de sobrenome do(s) autor(es), como nos seguintes exemplos.
a) Livro: SOBRENOME, Nome. Título da Obra. Local de Publicação: Editora, data. Ex.: VALVERDE, Orlando. Estudos de Geografia Agrária Brasileira. Petrópolis: editora Vozes, 1985.
b) Capitulo de Livro: SOBRENOME, Nome. Titulo do Capítulo. In: SOBRENOME, Nome (Org.). Título do Livro. Local de Publicação: Editora, data, página inicial-página final. Ex.: FRANK, Mônica Weber. Análise Geográfica para Implantação do Parque Municipal de Niterói, Canoas – RS. In: SUERTEGARAY, Dirce. BASSO, Luís. VERDUM, Roberto (Org.). Ambiente e Lugar no Urbano: A Grande Porto Alegre. Porto alegre: Editora da Universidade, 2000, p.67-93.
c) Artigos: SOBRENOME, Nome. Título do Artigo. Título do Periódico, local de publicação, volume do periódico, número do fascículo, página inicial-página final, mês (es). Ano. Ex.: SEABRA, Manoel F. G. Geografia(s)? Orientação, São Paulo, n.5, p.9-17, out.1984.
d) Dissertações e Teses: SOBRENOME, Nome. Título da Dissertação (tese). Local: Instituição em que foi defendida, data. Número de Páginas. (Categoria, Grau e área de Concentração). Ex.: SILVA, José Borzacchiello da. Movimentos Sociais Populares em Fortaleza: Uma Abordagem Geográfica. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 1986. 268 p. (Tese, doutorado em Ciências: Geografia Humana).

9 – Os textos devem representar trabalhos originais e inéditos, com introdução, desenvolvimento e considerações finais. As resenhas serão priorizadas a partir de obras publicadas recentemente no Brasil e no exterior.

10 – O autor deve se responsabilizar pela correção (profissional) ortográfica e gramatical do seu artigo.

11 – Os textos devem ser enviados para Revista Geografia em Questão. http://e-revista.unioeste.br/index.php/geoemquestao

Atenciosamente,

Comissão Editorial

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Casa de ferreiro, espeto de pau.







Incrível a cena ocorrida próximo a mestrado em saúde pública da UECE (Itaperi). Apesar do caráter grotesco ilustra a negligência no controle de animais dentro dos campi da universidade, seja na capital, seja no interior. Cachorros, gatos e até jumentos e marsupiais (cassacos) percorrem tranquilamente, corredores, salas e espaços de alimentação da instituição. Que as cenas sirvam de alerta.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Pesquisa na rede é mais rápida, mas não é mais fácil


DE SÃO PAULO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA DE SÃO PAULO

Para mostrar as diferenças entre os tipos de pesquisa, a reportagem convidou dois alunos do Elvira Brandão para participar de um desafio.
Luiz Felipe Pezzino Lugarinho, 12, teve dez minutos para pesquisar sobre o tema comércio informal em livros. O mesmo tempo foi a dado a Arthur de Oliveira Araujo, 13, que buscou informações sobre o assunto na internet.
Na biblioteca, Luiz levou mais de dois minutos até encontrar o volume da enciclopédia que serviria à sua pesquisa. Ao final do quarto minuto, ainda estava no índice.
No décimo, folha de caderno em branco, ele se convenceu: "Se a gente for consultar tudo na enciclopédia, vai perder muito tempo".
Na sala de informática, os dez minutos foram suficientes para que Arthur visitasse cinco sites e escrevesse quatro linhas. No entanto, elas não faziam muito sentido.
"É feita a cobrança muito alta de imposto para não fazer coisas com ele", dizia seu texto, que tentava relacionar o comércio informal à sonegação de impostos.
Segundo a psicanalista e colunista da Folha Anna Veronica Mautner, o conteúdo pesquisado na internet não é tão bem assimilado quanto o lido em uma fonte impressa.
"Existe um descaso em relação à internet. O internauta não se apropria da informação", diz ela.

Navegando e naufragando
Alunos perdem o costume de manusear enciclopédias e ainda sentem dificuldade para encontrar informações de qualidade na internet; é papel da escola, portanto, orientá-los nas pesquisas.

FABIANA REWALD
DE SÃO PAULO
LUCIANO BOTTINI FILHO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA


Fernando Foster, 49, vende enciclopédias da Barsa há 30 anos. Seu modo de trabalhar quase não mudou e ele continua vendendo tão bem quanto no início da carreira.
A diferença é que agora sempre leva um notebook para as visitas a potenciais clientes. Assim, pode mostrar os atributos não só da edição impressa como da digital -quem compra os livros ganha DVD-Rom e acesso ao conteúdo da internet.
Luiz Felipe Pezzino Lugarinho, 12, está no 6º ano do colégio Elvira Brandão, na zona sul de São Paulo. Dentre seus cerca de 30 colegas, é o único que sabe o que é uma enciclopédia, mesmo que não a utilize com frequência.
Com um mundo de informações a apenas um clique, muitos alunos não aprendem a pesquisar em livros, o que preocupa as escolas.
"Não é preciso evitar a internet, mas o estudante deve entender a diferença [entre o material impresso e o que está disponível na rede]", diz Jorge Cauz, presidente da Encyclopaedia Britannica. Diferentemente da Barsa, a Britannica concentra 95% das vendas no meio digital.
Antônio Joaquim Severino, professor aposentado da Faculdade de Educação da USP, defende que o manuseio dos livros continua uma via pedagógica insubstituível. "O recurso às fontes eletrônicas é enriquecedor, mas complementar."

AULA DE BIBLIOTECA
Para suprir essa falta de costume de pesquisar em livros, o colégio Santa Maria (zona sul de SP) dá aulas sobre como usar a biblioteca.
"As crianças se assustam quando ouvem as palavras "acervo" ou "lombada'", conta a bibliotecária Marilúcia Bernardi. Os estudantes aprendem a manusear livros, jornais e revistas.
Mas a preocupação com o uso do conteúdo disponível na internet também existe. "Às vezes, o professor pressupõe que o aluno sabe pesquisar, mas tem que ter orientação", diz Miguel Thompson, diretor de marketing e serviços educacionais da Editora Moderna.
A ingenuidade faz com que os estudantes acessem sites inseguros, recorram a conteúdos desatualizados e não saibam a diferença entre informações boas e ruins.
"Os alunos pensam que sites que trazem poucos resultados são péssimos, em comparação com o Google, que traz um milhão de respostas", diz Helena Mendonça, coordenadora de tecnologia da informação e comunicação da Stance Dual (centro).
Quando há casos de plágio ou se os alunos escrevem o que não devem na rede, a escola propõe uma discussão sobre condutas éticas.
No Santo Américo (zona oeste), a saída foi convidar uma empresa de direito eletrônico para conversar com os alunos. "Passar a noção de autoria é um desafio", diz a diretora Elenice Lobo.
FSP, 20SET10

USP revê currículos e pode fechar cursos


Universidade reavalia grades curriculares de todos os cursos e discute continuidade daqueles com baixa procura

Projeto pedagógico deve ser multidisciplinar, e carga horária, mais flexível; não há prazo para fim da revisão.



"A proposta abre uma coisa nova na USP, que é o processo de modernização. Também precisamos ver se o que parece estar funcionando realmente está"
SYLVIO SAWAYA
diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP

FÁBIO TAKAHASHI
FOLHA DE SÃO PAULO 21SET10

ARARIPE CASTILHO
DE RIBEIRÃO PRETO


Principal universidade do país, a USP decidiu revisar todos os seus cursos de graduação. Com isso, poderá haver mudanças nos currículos (para dar mais liberdade aos estudantes) e fechamento de carreiras de baixa demanda no vestibular.
A medida foi aprovada na semana passada pelo Conselho Universitário, órgão máximo da instituição, que reúne reitoria, diretores de unidades e representantes de todos os segmentos da escola.
A discussão começou ao se debater a viabilidade do aumento de vagas na graduação. "É importante que mesmo os cursos tradicionais verifiquem se é o caso de mudar, melhorar e até mesmo descontinuar certos cursos ou substituí-los", disse ontem à Folha o reitor João Grandino Rodas, em cerimônia em Ribeirão Preto (SP).
"Não é possível que alguns cursos continuem hoje como eram na época de dom Pedro 1º", afirmou o reitor Rodas, sem citar nenhuma carreira.
Como a USP não participa de avaliações federais, não é possível comparar seus cursos com os das demais instituições brasileiras.
No ranking da Times Higher Education, publicado na semana passada pela Folha, a instituição ficou fora da lista das 200 melhores universidades do mundo.
O documento prevê que as unidades devam avaliar mudanças nos projetos pedagógicos, para que sejam mais "modernos e multidisciplinares". Também deve haver "revisão de carga horária, a fim de permitir maior flexibilidade nas atividades dos alunos de graduação".
As diretrizes determinam que sejam analisados cursos com baixa relação candidato/vaga no exame Fuvest ou com "baixo impacto social", "respeitando a especificidade de cada curso".
No último vestibular, os cursos menos procurados foram música (1,37 candidato/ vaga) e ciência da informação (1,8), ambos em Ribeirão Preto. Na capital, foi licenciatura em geociências (2,3).
A norma não prevê prazo para o fim da revisão. O reitor disse ainda que só irá destinar verbas para infraestrutura às unidades que tenham um bom projeto e "sintonia com a universidade".

Proposta é positiva, mas sofrerá resistência, afirma pesquisadora
DE SÃO PAULO

Membro do Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas da USP, a socióloga Elizabeth Balbachevsky afirma que a proposta aprovada é positiva, mas sofrerá muitas resistências internas. (FT)

Folha - Como avalia essas mudanças da USP?
Elizabeth Balbachevsky - A USP tem uma série de cursos criados por arranjos clientelistas que hoje têm um, dois, três candidatos por vaga.
Quando é necessário abrir curso em área estratégica, aqueles sem demanda continuam existindo, inchando a máquina. Os recursos daqueles poderiam ser canalizados para esses cursos, sem precisar de mais dinheiro público.

É preciso mudar currículos?
Totalmente. O programa hoje é o mesmo de quando fiz graduação [1981]. O aluno, com apenas 17 anos, é forçado a escolher a carreira. O currículo poderia prever mais experimentação nos primeiros anos, para que se conheçam outras áreas.
Depois, nos últimos anos, alguns cursos como ciências sociais poderiam oferecer personalização maior. Tem gente que quer formação acadêmica, outros, aperfeiçoamento profissional. Hoje, ninguém é atendido bem.

Haverá resistência?
A proposta é necessária, mas haverá resistência. Uns não vão querer mudar simplesmente para não ter trabalho com isso. Outros vão se sentir ameaçados.

Reitor quer cautela na expansão de vagas
Para que haja crescimento, deve haver caráter inovador do curso e infraestrutura definida, diz João Grandino Rodas

Em 8 anos, número de vagas na Fuvest cresceu 50%; hoje, vestibular oferece 10.652 vagas em sete campi de SP

DE SÃO PAULO
DE RIBEIRÃO PRETO

A USP determinou que a expansão de vagas na graduação "não pode continuar no ritmo que vem acontecendo", pois pode prejudicar o funcionamento da escola e provocar um "colapso".
Para que haja crescimento, deve haver caráter inovador do curso e infraestrutura definida, entre outros. Em oito anos, o número de vagas na Fuvest aumentou 50%.
Segundo o reitor João Grandino Rodas, é preciso cautela na expansão.
"No passado, e, mal comparando, foi o que aconteceu com o ensino público secundário do Estado. Há algumas décadas, era primoroso, mas no momento em que se abriu para todos, o que parecia positivo se transformou em algo extremamente negativo."
O reitor afirmou ainda que "sem uma revisão dos cursos que já existem e uma melhoria da infraestrutura disponível, a busca da excelência [no ensino] da USP não será possível". A instituição oferece hoje 10.652 vagas nos vestibulares dos sete campi.
Segundo o diretor do Instituto de Matemática e Estatística, Flávio Coelho, a norma "certamente é restritiva, mas não proibitiva" em relação a expansão de vagas.
A ideia de restringir uma forte ampliação de vaga já havia sido apresentada no ano passado pelo reitor, logo após a vitória na eleição.
"Nossa graduação dobrou nos últimos oito anos. A prioridade número um é fazer uma adequação dos prédios e dos meios humanos para que a graduação funcione bem. Seria inaceitável aumentar o número de vagas quando o necessário é melhorar nossas condições atuais", disse à Folha.
Posição parecida foi declarada pelo ex-reitor Adolpho José Melfi, quando deixou o cargo, em 2005.
"Uma universidade de pesquisa não pode ser muito maior do que a USP já é", disse à época.

ANÁLISE

Há lógica na decisão de limitar a expansão de vagas da USP
HÉLIO SCHWARTSMAN
ARTICULISTA DA FOLHA

Há lógica na decisão da USP de limitar sua expansão. Para compreendê-la é preciso contextualizar o dilema da educação superior no Brasil.
De um lado, é preciso aumentar a oferta de vagas, movimento que está em curso. Na última década, a taxa de escolarização líquida do ensino superior (jovens entre 18 e 24 anos no 3º grau) mais que dobrou, aproximando-se dos 15%. Mas o país ainda está longe de outras nações.
Nesse tipo de comparação, o dado mais usado é a taxa de escolarização bruta, que relaciona o total de matrículas num dado nível de ensino com a população na faixa etária adequada a esse nível.
Nesse conceito, o Brasil tem 30% de escolarização no 3º grau (2007), contra 38,3% da Bolívia, 52,1% do Chile e 81,6% dos EUA, para citar exemplos continentais.
Assim, em termos macroeducacionais, faz sentido adotar programas que ampliam maciçamente a oferta de vagas, como o Prouni e a expansão de certas faculdades públicas. Só que a USP não é uma universidade qualquer, mas a joia da coroa.
Ela e a Unicamp são as únicas do país no ranking das 250 melhores universidades do mundo da "Times Higher Education" -nas modestas 232ª e 248ª posições.
Se quiser manter-se como centro de excelência, a USP deve resistir aos apelos pela democratização e avaliar com cautela novas expansões. A USP Leste está longe de ser um caso de sucesso.
Gostemos ou não, incorporar mais estudantes significa aceitar alunos com pior desempenho, o que resulta em queda de qualidade. O problema é menos a USP e mais a educação básica, incapaz de preparar para o mercado global universitário.
Folha de São Paulo, 21/set/2010

domingo, 19 de setembro de 2010

NETTUR aponta sugestão a candidatos

Capacitar estudantes é uma saída para o Ceará


O debate, atualmente feito, sobre turismo no Ceará, segundo a professora Luzia Neide, é quase insignificante

O turismo deve ser encarado como uma forma de corrigir desigualdades e combater a pobreza. Fora disso qualquer política é insuficiente. A afirmação, em forma de conselho aos candidatos ao Governo do Estado, é da professora doutora Luzia Neide Coriolano, membro do Laboratório de Estudos do Território e do Turismo da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Ela aponta, de maneira incisiva, que o Ceará ainda não criou uma cultura de turismo. Apenas tira proveito da visitação para a geração de empregos e, a maioria, mal remunerados.

Para ela, a abordagem sobre a área do turismo na disputa pelo cargo de Governador do Estado é quase insignificante, a começar pelas propostas alocadas nos planos de Governo. "A campanha revela o que eles (candidatos) querem para o turismo. As diretrizes ainda são insipientes, deixam muito a desejar", disse a especialista. A proposta, segundo ela, é vinculada ao modelo elitista.

"Daí porque todas as políticas estão voltadas para o turismo de grandes empresas, que traga divisas. Nós precisamos sim de divisas, não podemos dispensá-las, mas não basta isso. Um estado pobre como o Ceará precisa de muito mais", avalia a estudiosa.

Modelo

O primeiro ponto que deve ser esclarecido, e combatido, para ela, é o fato de os governos, e consequentemente, os candidatos, implantarem no Ceará o modelo convencional de turismo, assim como é feito nos países ricos. "Vejamos que a luta do Ceará é por oportunidades de trabalho no turismo, não é ainda para fazer o turismo", disse ela, ao apontar como prática da forma convencional, a seção de terrenos no litoral do Estado para a construção de grandes hotéis e resorts.

"Isso é bom. Nós temos que explorar mesmo o potencial turístico do Estado, mas é necessário que se exija das empresas a responsabilidade socioambiental. E isso não é feito. Precisamos monitorar as ações dos que procuram o Ceará para lucrar, pois estes são altamente beneficiados com a apropriação de espaços e estruturas, incentivos fiscais e mão de obra barata. As grandes redes precisam oferecer uma contrapartida à sociedade", critica.

Clique

Outra observação que faz sobre este modelo é que ele se desenvolve até mesmo sem a ajuda do poder público pelo poderio das empresas e pelo fato de o mundo ter se tornado uma espécie de "aldeia global", onde o conhecimento sobre as diversas regiões do globo estão ao alcance de um clique no computador.

Para deixar claro que a política desenvolvida atualmente na área é insuficiente, ela aponta o fato de a cidade de Fortaleza ainda estar totalmente despreparada para a recepção do turista com qualidade. "Para aqueles que vêm ao Ceará e ficam hospedados em resorts, cercados de segurança e luxo, tem serviço de qualidade. Agora, vá um turista andar em Fortaleza? Vai ver que nós estamos despreparados. Não tem segurança, não tem serviço de qualidade".

A professora apontou como outro grande desafio, a inversão da lógica que impera atualmente, não só no Ceará, de o poder público só começar a enxergar novas oportunidades com as coisas já em andamento.

"O turismo comunitário e o turismo verde, por exemplo, estão acontecendo de forma efervescente no Ceará e no Brasil. É um eixo alternativo que os governos só se dão conta quando as coisas já estão funcionando", argumentou, ao reforçar que esse tipo de atividade já começa a dar uma nova forma ao turismo no Ceará e acaba se transformando em uma alternativa para o desemprego.

Ferramenta

Um dos caminhos que aponta a professora, é a capacitação, a começar pelas escolas, para fazer do turismo um grande negócio. "O turismo é uma atividade econômica muito cara. Se nós soubermos fazer uso dessa ferramenta de forma consciente, com planejamento de alto nível e gestão de qualidade, haverá uma grande oportunidade para os cearenses", enfatizou.

Para ela, a ideia implantada pelo atual Governo de capacitar estudantes do ensino médio para as atividades turísticas é uma das saídas. "Estive em Camocim, recentemente, em um evento de oito escolas de ensino médio, do Estado, que estão ministrando cursos de turismo. Com certeza serão pessoas qualificadas, em um futuro bem próximo, para atuarem na área".

Empreendimentos

Sobre um dos assuntos polêmicos que estão sendo debatidos, que é o caso da construção de grandes obras como o Centro de Eventos e o Acquário, a especialista disse que são empreendimentos importantes para a cadeia turística, porém afirmou que só podem ser dados como positivos dependendo de como serão utilizados. "Não posso me posicionar contrária a um empreendimento como esse (aquário). Temos que saber é como é que nós vamos nos beneficiar disso. Se não for para melhorar as condições de vida da população, trazer ações educativas e gerar desenvolvimento social, nunca vai ser positivo". [DN 19/set/10]

terça-feira, 7 de setembro de 2010

País forma mais professor em área carente do ensino

Matérias como química e física têm alta de 84% dos formandos desde 2002

No mesmo período, o número de estudantes no ensino médio ficou estável; MEC diz que situação ainda é ruim

FÁBIO TAKAHASHI
FOLHA DE DE SÃO PAULO 05/09/10

Dados inéditos do Ministério da Educação mostram que cresceu 84%, em sete anos, o número de universitários formados em cursos para lecionar nas matérias mais carentes de docentes no ensino médio (física, química, biologia e matemática).
No mesmo período, o total de estudantes no antigo colegial ficou estável. O volume de novos formados nas licenciaturas, porém, é insuficiente para acabar com o deficit.
Segundo o MEC, 39,8 mil universitários conseguiram o diploma em uma das quatro licenciaturas no ano passado -o resultado completo do Censo da Educação Superior será divulgado em breve.
O contingente é bem inferior aos 100 mil docentes sem formação específica que atuam nessas quatro disciplinas do ensino médio.
Em física, por exemplo, se formaram 2.000 alunos no ensino superior em 2009, mas 33 mil docentes estão improvisados no antigo colegial.
O ministério reconhece que a formação de professores precisa melhorar, mas acredita que os novos dados mostram avanços, uma vez que há oferta maior de profissionais para contratações.
A pasta cita como ações que contribuíram para o aumento de concluintes a adoção de bolsa de R$ 400 aos alunos de licenciaturas e o piso nacional do magistério, que começou com R$ 950 no ano passado, mas sofre resistência de alguns Estados - o valor pode servir de estímulo para conclusão do curso.

"APAGÃO"
Já o secretário-executivo da Andifes (representante das universidades federais), Gustavo Balduino, aponta mudanças dentro das universidades. Uma delas foi a inclusão de aulas de revisão de conteúdos básicos aos ingressantes nas licenciaturas.
Estudos mostram que os interessados no magistério tendem a ser alunos com notas baixas. "Buscamos diminuir a evasão nesses cursos, que era grande", afirma.
Ele diz que houve também aumento no auxílio para moradia e alimentação.
O ensino médio do país vive um "apagão", segundo o próprio governo. Faltam docentes, boa parte dos jovens não frequenta o colégio e as notas dos alunos são baixas. A situação causa deficit de mão de obra qualificada.
"O aumento de licenciados é positivo. Mas é preciso ver se eles vão para a escola pública", diz o presidente da ONG Todos pela Educação, Mozart Neves, docente da Universidade Federal de PE.
"Aqui na universidade, a maioria prefere ir para o mestrado, com bolsa de R$ 1.300, a ir lecionar na rede pública, que paga R$ 1.000", afirma.
Para Neves, a carência de docentes no ensino médio só será resolvida quando o magistério tiver melhores salários e condições de trabalho.
Os números do censo obtidos pela Folha não contêm dados de todos os anos. Em outras bases, o volume de concluintes nas licenciaturas foi parecido em 2008 e 2009.

Professor chegou a lecionar 5 matérias ao mesmo tempo

MEC entende que, com mais universitários formados, a situação nas escolas deve melhorar nos próximos anos

Proporção de docentes que ministram três ou mais disciplinas aumentou de 7% para 21,5% em dois anos

DE RECIFE
FOLHA DE SÃO PAULO

Apesar do aumento de universitários formados em licenciaturas, os dados do próprio Ministério da Educação indicam que esse contingente de novos graduados ainda não chegou às escolas.
De 2007 a 2009, a proporção de professores que leciona três disciplinas ou mais no ensino médio subiu de 7% para 21,5% do total do magistério, segundo o último Censo Escolar, divulgado em novembro do ano passado.
O improviso é reflexo da falta de professores. Quando não há docentes em uma disciplina, a legislação permite que professor de outra matéria assuma a aula -a situação deveria ser emergencial.
O Ministério da Educação entende que, com um volume maior de universitários formados, a situação tende a melhorar nos próximos anos.
Enquanto isso, repetem-se casos como o de Antonio David Gouveia Sabino dos Santos, 34. Formado em biologia, ele já lecionou nove matérias diferentes em Pernambuco, cinco simultaneamente. Passou por matemática, ética e até educação física.
Santos aproveitava a carência de docentes nas redes para assumir as aulas e aumentar a renda. "No início, é até possível conciliar, mas depois não consegue. Professor tem de estudar, preparar as aulas, senão o nível cai."
Quando dava cinco matérias, precisou tomar antidepressivos. Hoje, Santos leciona matemática e ética.
"É temerário que 20% dos professores deem tantas disciplinas. Diminui a qualidade", diz Ocimar Alavarse, pesquisador da USP.
Estudo divulgado no ano passado pelo Ministério da Educação mostrou que apenas 25% dos professores de física tinham formação na área; em química, eram 38%.
Os números indicam que o improviso pode ter impacto na qualidade do ensino. Entre os dez Estados com as maiores proporções de docentes com várias disciplinas, apenas um tem nota acima da média no Ideb.

SEM IMPROVISO
No outro extremo de notas, o colégio particular Vértice (SP), o melhor do Brasil no Enem, só tem um docente que leciona mais de uma matéria (filosofia e sociologia).
"O pontapé para a boa aula é o professor saber o conteúdo. Com uma disciplina só, o professor já fica com a língua de fora", diz Adilson Garcia, um dos diretores.
Para Cesar Callegari, membro do Conselho Nacional de Educação, a carência de docentes na rede pública só acabará quando o magistério tiver salário semelhante ao dos demais segmentos.
Já o educador João Batista Oliveira, do Instituto Alfa e Beto, defende total remodelação do ensino médio, que passe a ter dois formatos. Um profissionalizante e outro mais acadêmico. (FÁBIO GUIBU FÁBIO TAKAHASHI)

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Rede de Supermercado abre as portas e acirra competição no comércio varejista de Limoeiro do Norte

Uma grande festa com direito a safoneiros, coquetel e presença do vice-governador, políticos e candidatos marcou a inauguração da rede supermercadista Pinheiro em Limoeiro do Norte. Esse empreendimento promete acirrar a competição territorial com o comércio local pela conquista de consumidores. Espera-se que a chegada do supermercado provoque um reequilíbrio dos preços praticados no comércio local forçando uma redução de preços e aumento da oferta de produtos. A iniciativa do Pinheiro faz parte das estratégias de redes varejistas regionais que buscam expandir suas vendas em cidades médias e brigar pelos clientes das grandes redes nacionais e internacionais (Carrefour, Extra, WalMart etc.). O empreendimento oferece ainda serviços variados como restaurante, cinema, espaço de eventos e parque infantil que podem alterar a centralidade urbana de Limoeiro. Trata-se de marco na geografia econômica e urbana da cidade. É esperar pra ver!


domingo, 22 de agosto de 2010

Curso de Extensão com inscrições abertas




A Universidade Aberta do Nordeste (UANE) e a Fundação Demócrito Rocha abrem inscrições para o curso Mudanças Climáticas e Desenvolvimento Sustentável.

Este procura contribuir para aprofundar as discussões e esclarecer a população acerca de tão relevante tema para o presente e futuro da vida na Terra. Público-alvo 30.000 vagas gratuitas na Universidade Aberta do Nordeste (UANE) podendo se inscrever todo e qualquer cidadão, residente em qualquer região do país ou exterior, independente do grau de escolaridade, nacionalidade, idade, sexo ou etnia. 78.500 vagas para professores de Ensino Fundamental das escolas públicas do Estado do Ceará. I

NSCRIÇÕES: www.fdr.com.br/mudancasclimaticas

INÍCIO: 30 de agosto de 2010

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Carro elétrico é atração na ICID

Juntamente com a ICID ocorre a Feira de Econegócios do Nordeste onde são apresentados diversos modelos de negócios ecoeficentes. A feira busca apoiar o desenvolvimento do setor empresarial na busca da sustentabilidade, contribuindo, valorizando e incentivando os serviços e produtos que promovam ganho ambiental. Na ocasião está exposto um protótipo de veículo elétrico criado pelo engenheiro Elifas Gurgel do Amaral que pretende instalar no Ceará uma fábrica de carro elétrico. Os professores da Fafidam acompanhados de colegas da SEMACE e UECE conheram a iniciativa.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Professores da Fafidam participam da ICID+18


Vários professores da Fafidam participam durante toda a semana da ICID+18. A Segunda Conferência Internacional: Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento em Regiões Semiáridas (Icid 2010) é a oportunidade de pesquisadores, técnicos, políticos e sociedade para rever conceitos e construir um novo pacto de combate à desertificação, disse o secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente, José Machado, nesta segunda-feira (16/08), na abertura da Conferência, em Fortaleza (CE). A conferência também é considerada uma prévia da Rio+20 que acontecerá em 2012, 20 anos após a Reunião de Cúpula das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (CNUMAD).

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Nota de Pesar

O Lageo e todo corpo docente e discente do curso de Geografia manifesta seu mais profundo pesar pelo falecimento Sr. Pinheiro, genitor do Prof. Sérgio de Almeida Pinheiro, fato ocorrido na tarde de hoje, e que provoca enorme tristeza em toda comunidade acadêmica.

Na oportunidade, presta suas sinceras condolências a Viúva, filhos, genros, noras e netos por tão grande perda.
Limoeiro do Norte, 12 de agosto de 2010.

O velório será realizado sexta (13) na Funerária Paz Eterna (Rua Júlio Siqueira 849, atrás da Assembléia Legislativa) a partir das 12h com missa de corpo presente as 16h. O sepultamento será no Cemitério Parque da Paz às 17h.

II ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS


Dia: 12 de Agosto de 2010
Horário: 19:0h às 21:30h
Local: Auditório da FAFIDAM
OBJETIVO: Apresentar aos alunos a Oferta de Disciplina, instruí-los para o Processo de Matrícula e para os procedimentos concernente ao Calendário Acadêmico 2010.2

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Parabéns estudantes! Hoje é seu dia.


Estudante é todo aquele que se dedica a aprender, tem fome de conhecimento e não aceita facilmente idéias pré-concebidas. O movimento estudantil brasileiro possui uma rica história de lutas e participação popular. Foi a vanguarda no período ditatorial, na redocratização e peça-chave na cassação de Collor de Melo no início da década de 90. Por tudo isso, orgulhe-se de fazer parte dessa história. Parabéns!

No dia 11 de agosto de 1827, D. Pedro instituiu no Brasil os primeiros cursos de ciências jurídicas e sociais do país. Ele fez isso para quem quisesse estudar não precisasse mais ir para Portugal ou Coimbra atrás de conhecimento. Cem anos depois, Celso Gand Lev propôs uma homenagem a todos estudantes do país. Desde 1927 comemora-se essa data.

sábado, 24 de julho de 2010

Aprovada Oferta 2010/2. Confira as disciplinas.



CLIQUE NA FIGURA PARA AMPLIAR

Preparem os Notebooks. Fafidam democratiza acesso a Internet


Tudo certo para a inauguração da rede sem fio na FAFIDAM. A iniciativa, demanda antiga de professores, alunos e funcionários, foi vialbilizada graças a parceria entre a Direção da Fafidam, BRISA NET e uma fundação de Jaguaruana. Já no início de em agosto a comunidade acadêmica contará com essa valorosa ferramenta de pesquisa e interação. Sem dúvida, facilitará o trabalho e a comunicação entre docentes, discentes e administração.
A FAFIDAM também receberá uma torre de transmissão do CINTURÃO DIGITAL, projeto do GOVERNO DO ESTADO. Com a instalação espera-se garantir velocidade de dados de até 30Mbps (média EUA e Europa) o que permitirá sobretudo a transmissão de videoconferências e serviço de VOIP (telefonia) em tempo real e sem interrupções.
O SISTEMA WIRELESS SERÁ DISPONIBILIZADO PARA PROFESSORES, ESTUDANTES E FUNCIONÁRIOS DA INSTITUIÇÃO.
O CADASTRAMENTO DOS INTERESSADOS TERÁ INÍCIO NO DIA 02 DE AGOSTO NA RECEPÇÃO DA FAFIDAM.
Fonte: fafidam-uece.blogspot.com

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Autorizada Reforma e Ampliação da FAFIDAM. Mais de meio milhão de reais serão investidos.


ORDEM DE SERVIÇO Nº0198/2010
TOMADA DE PREÇOS Nº006/2009 - FUNECE
CONTRATO Nº63/2010

Autorizamos a empresa TEMPO ENGENHARIA LTDA. Inscrita no CNPJ: 04.219.922/000145 iniciar a obra de REFORMA E AMPLIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DO CAMPUS DA FUNECE/FAFIDAM, NO MUNICÍPIO DE LIMOEIRO DO NORTE – CE. devidamente especificado no PROJETO BÁSICO e ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, anexos ao Edital. O prazo de execução dos serviços objetos do Contrato Nº63/2010 é de 180 (cento e oitenta) dias corridos, contados a partir do 5º (quinto) dia útil da data da assinatura da Ordem de Serviço, podendo ser prorrogado nos termos da Lei 8.666/93 e suas alterações. O valor global deste contrato é de R$647.407,62 (seiscentos e quarenta e sete mil quatrocentos e sete reais e sessenta e dois centavos) de acordo com a Planilha de Orçamento constante da Proposta apresentada pela CONTRATADA. Fortaleza, 17 de junho de 2010. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - FUNECE, em Fortaleza, 29 de junho de 2010.

Luzia Elisandra Nogueira
ASSESSORA JURÍDICA

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Autorizada a construção do Campus Multi-Institucional de Iguatu


O Governo do Estado deu início a uma obra que garantirá a formação de mais de dois mil alunos por ano. Foi assinada no município de Iguatu, no Centro-Sul do Estado, a ordem de serviço para início das obras do Campus Multi-Institucional de Iguatu. O equipamento agregará no mesmo espaço a Universidade Estadual do Ceará (Uece), a Universidade Regional do Cariri (Urca) e a Faculdade Tecnológica do Instituto Centec (FATEC). O objetivo é garantir acesso ao meio acadêmico por jovens do Interior e reforçar o ensino superior, através de cursos de educação profissional técnica, tecnológica de graduação em todo o Ceará.



Na construção do Campus, o Governo do Estado, através da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Supeior (Secitece), investirá cerca de R$ 13 milhões, com prazo de conclusão da obra em 180 dias. O equipamento terá capacidade para abrigar mais de dois mil alunos por ano nos cursos de Nível Superior, que terão a opção de escolher entre os cursos de Direito, Enfermagem, Ciências Econômicas, Educação Física, Letras, Pedagogia, Ciências Biológicas, Matemática, Física, Gestão Pública, Tecnologia da Informação e Administração, este com ensino a distância. Na unidade também serão ofertadas anualmente 900 vagas de nível técnico nas áreas de Manutenção, e Suporte em Informática e Técnico em Recursos Humanos.
Coordenadoria de Imprensa da Secitece

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Ônibus da FAFIDAM mais perto


A Universidade Estadual do Ceará (UECE) investiu na compra de 11 carros novos para renovação de sua frota de veículos, adquirindo carros automotores tipo ônibus, furgão, pick-up e outros para atender o transporte de pessoas e deslocamentos. Os recursos foram originários de fontes próprias e do Tesouro do Estado.

É importante ressaltar que a nova frota, além de viabilizar esse atendimento às necessidades acadêmico-administrativas desta Universidade, representa uma significativa economia com a redução dos gastos de manutenção com veículos, cujo tempo de uso tornava-os cada vez mais dispendiosos.

O próximo investimento, já definido pela Superior Administração da UECE, neste campo, será a aquisição de seis unidades de micro-ônibus, também em parceria com o Governo do Estado, para cada uma das unidades acadêmicas do interior.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Fafidam adere a rede e lança seu Blog


A assessoria de comunicação da Fafidam acaba de lançar o blog da FAFIDAM (http://www.fafidam-uece.blogspot.com/ ). A iniciativa coordenada pelo prof. Chiquinho (História) visa aproximar a comunidade acadêmica e servir de veículo de informação, conhecimento e cultura para a população do Vale do Jaguaribe.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

DICA DE LEITURA - Dossiê do IEA/USP traz abordagem teórica das questões socioambientais


No dia 12 de maio, foi lançado o nº 68 da revista "Estudos Avançados" (jan.-abr./2010), que traz o dossiê "Teorias Socioambientais". Alfredo Bosi, editor da revista, destaca que a edição retoma e aprofunda problemas relativos a situações críticas verificadas em território brasileiro, "mas o que diferencia o presente dossiê dos seus similares é a ênfase no tratamento teórico das questões socioambientais".

A concepção e a montagem do dossiê contaram com colaboração de Wagner Costa Ribeiro, coordenador do Grupo de Pesquisa de Ciências Ambientais do IEA e professor do Departamento de Geografia da FFLC-USP. Parte do conjunto de textos é dedicada à gestão e aos estudos ambientais. Eleonora Trajano, do Instituto de Biociências (IB) da USP, participou da definição dessa parte. (Veja o sumário da edição abaixo.)

A edição é dedicada o geógrafo Aziz Ab'Sáber, professor emérito da FFLCH-USP e professor honorário do IEA, "inspirador constante da diretriz ambientalista do Instituto", de acordo com Bosi.
CLIQUE NO TÍTULO PARA ACESSO ON LINE A REVISTA